As pupilas do senhor reitor de Júlio Dinis

«Romance de Júlio Dinis publicado, em 1866, sob o formato de folhetins no Jornal do Porto, e em volume no ano seguinte. Segundo o próprio autor, numa referência das “Notas”, a obra teria principiado a ser escrita em 1863, durante a permanência de Júlio Dinis em Ovar. O título refere-se às personagens femininas do romance, duas meias-irmãs órfãs, Margarida e Clara, de personalidades opostas, adotadas pelo Reitor. A intriga centra-se, contudo, em Daniel, segundo filho do lavrador José das Dornas. Depois de, em rapazinho, ter renunciado à carreira eclesiástica por amor a Margarida, Daniel regressa à aldeia, já médico e completamente esquecido do seu idílio de infância. Para além do Reitor, a obra apresenta uma interessante galeria de tipos rústicos, onde se destacam as figuras de José das Dornas, João Semana, o bondoso médico rural, João da Esquina, o dono da loja, e a sua esposa interesseira, a ti’Zefa, a beata linguaruda, entre outras. Em suma, As Pupilas do Senhor Reitor traduz a vida rural portuguesa da época. Um livro escrito com a simplicidade de estilo e o realismo de representação que caracterizam a obra de Júlio Dinis, recheado de situações imprevistas e de grande intensidade dramática.»

(artigo publicado em http://www.infopedia.pt/$as-pupilas-do-senhor-reitor,2)

Esta foi a obra que acabei de ler. É da autoria de Júlio Dinis, que nem é Júlio nem Dinis, mas sim Joaquim Guilherme Gomes Coelho. Vivo entre 1839 e 71, destacou-se como romancista. Mas também dominou a arte médica bem como a escrita de versos e didascálias, a escrita de poemas e peças dramáticas.

Acho-a deveras interessante. Existem dois importantes momentos. A formação de Daniel para padre que se revela um fracasso e, por isso, é mandado para a cidade estudar e ser «senhor»; o regresso de Daniel que origina alguns problemas, nos quais a acção se intensifica e torna-se apelativa. Júlio Dinis também se apresenta como um defensor da aldeia, do ambiente campestre como modelo de vida, oposto à cidade. Mas consegue encontrar alguns podres na aldeia, como a sua pequeneza em termos de comunicação, uma notícia mal sai corre as vielas inteiras; critica a coscuvilhice.

São tantas as ideias que nos mostra, algumas que parecem pertencer ao século em que vivemos; algumas frases que são marcantes e nos fazem pensar. Tudo isto com um teor romântico e realista, de que faz parte o seu estilo. Aconselho-o.

Aqui têm o link do livro em e-book http://www.4shared.com/get/OpMlqV2Z/Julio_Dinis_-_As_Pupilas_do_Se.html. O e-book foi realizado pela Biblioteca Digital da Porto Editora que parece que agora não o disponibiliza gratuitamente, sendo necessário o registo. Ou se o faz, não sei aonde; por isso é que está à disposição no 4shared de um modo seguro e gratuito.

Anúncios